• Veja também as capas anteriores!

  • Políticas do Ambidestria

    O Ambidestria todo está sob licença Creative Commons. Em caso de citação, não se esqueça de mencionar o nome do autor do post e o link direto para o post em questão. Não são permitidas alterações do texto.

    Veja mais detalhes na página de Políticas
  • Arquivo

  • Arquivo Especiais

    Especial FLIP 2008
    Com Carolina Lara e Jacqueline Lafloufa
  • Acesso para autores

Narrativa transmidiática

Interessante o conceito de narrativa transmidiática, definido por Henry Jenkins no seu livro “Cultura da Convergência“.

O capítulo 3 do livro utiliza, como grande exemplo, o aparato narrativo da trilogia Matrix dos irmãos Wachowski.

Jenkins cita que a narrativa de Matrix não está concentrada apenas nos filmes. Está presente em mais outras mídias (animação, quadrinhos e games) da série. E todos contribuem para o entendimento geral do universo do filme.

Jenkins afirma que o conceito de narrativa transmidiática é a narrativa fragmentada (ou distribuída) em diversas mídias, porém, não sendo interdependentes entre si. Um exemplo: você irá entender o universo da trilogia dos filmes de Matrix sem precisar jogar o game. Mas se você jogar o game, você irá entender melhores detalhes desse universo. Descobrir detalhes e motivações extras, que aprofundam a narrativa e a psicologia dos personagens.

No transmidiático, todos os suportes contribuem para a construção do universo, não se concentrando apenas em um. Brinquedos e vendas de acessórios dos filmes, para Jenkins, não é transmidiático. Apenas um reforço da marca.

Jenkins aponta que a atual indústria do entretenimento está aprendendo a utilizar o transmidiático em suas obras. Mas ainda vê com certo receio, pois o transmidiático exige uma grande aproximação e participação do público com a obra, além de um bom montante de investimento.

Ao meu ver, o transmidiático pode ser melhor aprofundado. Matrix, querendo ou não, concentra a maioria do seu universo nos filmes. Ou seja, se vermos a animação Animatrix, jogarmos o game e lermos os quadrinhos, teremos entendido o núcleo do universo, mas faltará aquele toque mais revelador, presente nos filmes. Parece-me que o cinema não está no mesmo nível que as outras mídias.

Mas é extremamente interessante esse conceito, pois é a convergência tecnológica afetando a forma criativa, num exemplo claro da teoria de McLuhan (“o meio é a mensagem”), em que as características de cada mídia atuam, cada uma de forma única, na construção de um todo.

Post originalmente feito em Midializado.

Anúncios

2 Respostas

  1. Amigão, por favor, vê se você pode me ‘salvar’. Eu preciso fazer um trabalho para a faculdade hoje sobre a comunicação transmidiática / Henry Jenkins. Por favor, você pode me dizer algumas franquias/marcas que atuam dessa maneira? Eu preciso dissertar sobre exemplos.

    Obrigado desde já

  2. Oi Oscar,

    A marca que mais usa o conceito de transmídia é o Starbucks, ao meu ver.

    Nokia, Skol, Coca Cola e Nike são outros.

    geralmente são as empresas mto grandes que fazem uso.

    abraços!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: