• Veja também as capas anteriores!

  • Políticas do Ambidestria

    O Ambidestria todo está sob licença Creative Commons. Em caso de citação, não se esqueça de mencionar o nome do autor do post e o link direto para o post em questão. Não são permitidas alterações do texto.

    Veja mais detalhes na página de Políticas
  • Arquivo

  • Arquivo Especiais

    Especial FLIP 2008
    Com Carolina Lara e Jacqueline Lafloufa
  • Acesso para autores

Do último nascimento

O dia em que nasci, eu estava tomando um café sem açúcar enquanto fingia que lia o jornal, com os olhos focados na sujeira do azulejo da cozinha. Meus pais já tinham morrido havia tanto tempo que eu já nem chorava de saudade. Eu tinha talvez uns setenta anos de morte quando a vida me pegou desprevenida – esperava morrer até os setenta e um, embora meu sobrinho sempre dissesse que eu morreria bem até os cento e dez. Esse morreu jovem de dor de dente de forma que viesse logo cuidar de mim.

Mas não cheguei aos cento e dez nem aos setenta e um; nasci antes, sem terminar o jornal, sem limpar a cozinha. A vida me chegou tão de súbito que não tive tempo de recuperar na memória a imagem dos meus pais. Não tive tempo nem de olhar o retratinho na escrivaninha: nasci mesmo olhando o azulejo sujo.

Meus pais então viviam e não tinham cabelos brancos; quis rir, mas vi sangue e chorei. Durante quatro anos matutei sobre as grandes questões da morte, mal falava, não lia ainda, tinha problemas com a memória, chorava muito por isso até acostumar à vida. E aos quatro tomei meu primeiro gole de café – mas como tinha açúcar não associei a nada. Aos quatro também talvez toda memória tivesse já sido esquecida, meu sobrinho ainda morto, meu café esfriando, meus setenta ou setenta e tantos anos.

Agora me lembro de tudo, a notícia de jornal que eu não li, o gole de café amargo que tomava quando nasci, mas em três ou quatro anos devo esquecer. Tenho três ou quatro anos para matutar sobre as grandes questões da vida. A última vez que morri, era noite, beijei o retratinho dos meus pais e guardei no bolso, queria rir, mas vi sangue e chorei.

 

 

 

Anúncios

5 Respostas

  1. O texto não fica confuso se pensarmos em vida/morte como um dia que vira noite que vira dia que vira noite.
    Talvez seja assim, quem sabe. Há pessoas que digam que a morte é a última viagem, mas vc fez o caminho de volta.

  2. achei lindo e delicado. tão frágil.

    nunca tomei café.

  3. Achei lindo!!! Nossa, o melhor texto que já li aqui!!!

    bjo!

  4. Saudade eu tenho de conversar
    Saudade eu tenho da poesia
    Mais do que eu tenho mais saudade
    É dos dois juntos, sabia?

    ahhaah!

    Adorei as substituições das palavras. Afinal a morte útil do cafe dura mais que a sentença de vida?

  5. gostoso de ler filha, delicado e interessante. continue escrevendo, beijo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: