• Veja também as capas anteriores!

  • Políticas do Ambidestria

    O Ambidestria todo está sob licença Creative Commons. Em caso de citação, não se esqueça de mencionar o nome do autor do post e o link direto para o post em questão. Não são permitidas alterações do texto.

    Veja mais detalhes na página de Políticas
  • Arquivo

  • Arquivo Especiais

    Especial FLIP 2008
    Com Carolina Lara e Jacqueline Lafloufa
  • Acesso para autores

A porta está aberta, pode entrar.

Sinto vontade, mas ainda não é a hora. Espero, resisto… desisto. Me entrego. É tarde. O tempo – aquele tempo, aquele instante preciso – passou. Me irrito. Apaga essa luz! Limparam as sombras. Silêncio. De repente, as idéias surgem. Todas aquelas que já passaram antes e se perderam por falta de atenção, da minha atenção. Voltem outra hora. Agora não. Não quero pensar. Elas insistem em ficar. Sabem que agora não tenho desculpas nem distrações. Não contentes em aparecer sem convite, elas se espalham, conversam, tiram tudo do lugar; e eu não consigo fazer parar. Outra vez, silêncio. Será que elas foram embora? Melhor não procurar. As sombras voltaram. Encontraram um lugar na parede. Agora olham pra mim. Desvio o olhar, finjo que não vejo. Confiantes, as idéias voltam. Eu quase consegui mandá-las embora. Agora não dá mais. Sento, tomo um café. Amanhã? Preciso ir ao banco, meu saldo já está negativo. Se eu conseguisse um emprego melhor, chegaria no fim do mês com dinheiro na conta. Odeio fazer contas. Mais dois dias para o fim da semana, menos um número na minha calça. Quantas vezes eu esqueço o que estava fazendo? Lembrei. Estava pensando no dia que eu parei, e não fui trabalhar. Parei na praça, e sentei. Pessoas andavam com pressa, um cachorro de perna quebrada estava perdido, uma criança, encolhida num canto, segurava um vidrinho de cola, esperando que fosse notada por alguém, o guarda tentava ordenar o trânsito caótico, mas não conseguia evitar aquelas buzinas anasaladas. Eu parei para olhar, depois, parei de olhar. Foi assim mesmo que aconteceu? As imagens já não estão mais tão nítidas. Não sei o que é realidade e o que é invenção. De novo aquelas vozes, ainda não foram embora. Estão mais calmas, acho que cansaram. Falam baixinho, bem devagar. Pensam bastante antes de continuar. Agora falam no mesmo tom. Silêncio. As sombras saíram da parede. As idéias se calaram. Foram todos embora, sem me acordar, e eu nem me despedi.

Anúncios

5 Respostas

  1. As imagens, as sombras, as idéias, o dia passando que ninguém para pra pensar e nem para de pensar.
    Muitas vezes somos sozinhos na multidão e sozinhos pra nós mesmos.

    Demais, Gabi!

  2. Lindo gabs, realmente lindo. Eu sou teu fã =D

  3. todos foram embora. e no entanto muitos ficaram no caminho.

    no meio do meu caminho tinha alguem que eu nao queria encontrar. no meio do meu caminho tinha falta de gente e solidão a perder de vista.

    as coisas continuam. nós continuamos os mesmos…

    adorei

  4. Adorei o ritmo do texto, adorei o texto!

  5. Estou entrando…novamente.

    Gostei muitoo

    Um olhar inteiro de idéias… Beijo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: