• Veja também as capas anteriores!

  • Políticas do Ambidestria

    O Ambidestria todo está sob licença Creative Commons. Em caso de citação, não se esqueça de mencionar o nome do autor do post e o link direto para o post em questão. Não são permitidas alterações do texto.

    Veja mais detalhes na página de Políticas
  • Arquivo

  • Arquivo Especiais

    Especial FLIP 2008
    Com Carolina Lara e Jacqueline Lafloufa
  • Acesso para autores

II

 

 

*

 

Eu estava na seção infantil da locadora PhD buscando o filme sobre os Irmãos Grimm, quando lá vi Oliver Twist, de Roman Polanski. A princípio achei estranho, pois pensava que era um drama; peguei o dvd e vi as informações: drama, inadequado para menores de 14 anos. É evidente que essas informações são discutíveis, mas o fato é curioso. Também estão presentes nos contos dos Grimm elementos como morte e violência, e o mesmo tom sombrio que permeia Oliver Twist, entretanto, o primeiro é considerado literatura infantil e o segundo inadequado para menores de 14 anos. Temos um bom ponto de partida para começar a refletir o que faz de uma obra artística infantil, ou proibida para crianças, ou ainda se tal rótulo é absolutamente dispensável.

 

*

 

Durante os créditos iniciais vemos no fundo uma imagem em preto e branco. Quando os créditos chegam ao fim e os personagens começam a se movimentar, a imagem começa a se colorir lentamente – parece que a história está saindo do livro e se transformando em filme.

 

*

 

No filme Oliver Twist, em alguns momentos a câmera pára e podemos apreciar a fotografia do filme. A disposição dos objetos e atores no cenário, o figurino e a iluminação enriquecem e contribuem para a criação de todo um clima. É importante observar o quanto as cores são trabalhadas – criam uma beleza tamanha que fica difícil tirar os olhos da tela.

 

 

 

 

*

 

A pouca movimentação de câmera até nas cenas de maior ação é intrigante. Parece um narrador que observa a trajetória do protagonista com grande distanciamento. Ou grande atenção.

 

*

 

Penso que é nesse cuidado com a imagem que os bons ilustradores de livros se preocupam. Uma ilustração pode tanto contribuir com o clima da história quanto atrapalhar a imaginação do leitor. Eis um livro publicado várias vezes: Alice no País das Maravilhas.  Abaixo, três Alice:

 

 Arthur Rackham              John Tenniel

Arthur Rackham                             John Tenniel

 

Disney

Disney

 

Seria interessante ouvir as crianças opinando sobre qual delas gostou mais.

 

*

 

O nome do cachorro de Bill é Bullseye. Fragmentando esse nome, temos: Bull´s eye. E é ao olhar o seu cachorro que Bill escorrega e morre enforcado.

 

*

 

No começo do filme acompanhamos os eventos externos que indicam como o menino conhece e começa a viver com uma gangue de crianças que roubam, treinadas pelo velho Fagin. Cheguei a pensar se a sociedade e tais eventos anulariam a individualidade do menino. Mas não; Podemos ver que Oliver pensa por si próprio, tem consciência dos seus desejos e não aceita passiva e alienadamente a influência da sociedade sobre ele. Uma boa cena para exemplificar é aquela em que ele, a contra-gosto, é levado por Bill a roubar o homem que havia lhe oferecido uma vida melhor, o Sr. Brownlow. Por tentar protegê-lo, ao invés de roubá-lo, leva um tiro no braço, disparado por Bill.

 

*

 

A admiração transmitida pelo olhar quando chega a Londres, as brincadeiras lúdicas com os meninos da gangue, a inocência e a rebeldia, entre outras tantas características, demonstram que Oliver não é tratado como o esteriótipo de criança abobada ou de adulto demais – equívocos fáceis de cometer na construção de uma personagem como essa. Apurar nosso olhar sobre a personagem infantil pode ser um bom caminho para desenvolver a primeira questão levantada aqui.

 

*

 

Assistir a esse filme atiçou uma vontade grande de ler o livro de mesmo título, escrito por Charles Dickens, em meados do século XIX. Esse livro, o filme, e os outros livros citados neste post são as sugestões de hoje para que continuemos criando um maior repertório.

 

 

Um abraço.

 

Anúncios

2 Respostas

  1. ‘ Oliver não é tratado como o esteriótipo de criança abobada ou de adulto demais ‘

    e é isso que eu mais gosto – e como gosto – nesse filme.

    abraço!

  2. “Seria interessante ouvir as crianças opinando sobre qual delas gostou mais.” – talvez fosse meio injusto. 🙂 O público infantil nunca é o mesmo, afinal, e as cores da versão Disney poderiam levar a melhor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: