• Veja também as capas anteriores!

  • Políticas do Ambidestria

    O Ambidestria todo está sob licença Creative Commons. Em caso de citação, não se esqueça de mencionar o nome do autor do post e o link direto para o post em questão. Não são permitidas alterações do texto.

    Veja mais detalhes na página de Políticas
  • Arquivo

  • Arquivo Especiais

    Especial FLIP 2008
    Com Carolina Lara e Jacqueline Lafloufa
  • Acesso para autores

o nó sem limites

Minhas Eras. Agora que eu chego no nó sem limites. Eu me explico.
Agora eu não tenho mais vontade de escrever. Nem tenho mais motivo. Todos foram embora. Eu estou olhando pra porta tentando ver se ela está fechada ou aberta.
É um relevo tão plano que nada se levanta. Tudo é calmo. Como um mar sem vento. Eu não me levanto. Mas tem alguma corrente subterrânea que se mexe lá embaixo. Talvez seja consequência de algum calor.

É por não ter limites. Por não ter motivo. Que, paradoxalmente. Eu escrevo. Por não ter motivo algum. Continuarei escrevendo (A porta aberta é a pergunta idiota se eu voltarei a ter motivo ou não, embora todos nós saibamos que não há porta nenhuma).

Mas mesmo sem haver motivo pode haver um ritmo, pode haver uma dança. Não há nada mais inútil que uma dança. Nem nada tão necessário. Quem não dança morre, no final das contas. Tudo que é inútil é assim. Parece inútil porque leva um tempo longo demais pra se completar.

Olha, eu cheguei até aqui. Ainda não estou satisfeito. Nem comigo nem com ninguém. Sou o mestre mais severo de mim. E ai de quem cruzar o meu caminho.

Se você o ver diga que eu mandei um beijo.

Agora, agora, agora. Sempre agora. Uma cor que eu não conheço o nome. Um sabor que eu não conheço o jeito. Um modo que eu não sei ser. Mas eu aprendo. Ai mãe, tem dó de mim que um dia eu aprendo. Teu filho é águia em repouso. Cuida mais di mim.

Eu fecho o nó sem limites. Por não ter limites, claro. Ele olha pra mim. Eu posso e ele pode isso. Esse olhar olha e não vê nada. Mas diz algo. Um olhar que não vê nada mas diz algo. É disso que eu estou falando.

Anúncios

4 Respostas

  1. Gostei! Depois de um dia lendo muito e criando pouco (como na vida acadêmica normalmente acontece) vim me humanizar, vim ler Literatura em nosso blog…Seu texto primeiro eu li, achei meio esparso, li de novo, gostei mais, depois de novo, achei demais…Fez eu me esvaziar de coisas funcionais e cheias de motivos…deu vontade de escrever…

  2. ai… que triste. é carente, solitário e desesperador de certa forma. confesso que eu amo. depois de ler o que voce escreve eu vejo que faz sentido eu te perseguir e falar horas com voce.

    ^^

  3. Nó não desatado. Melhor assim, mistério, doçura, Literatura, enfim! Sem limites, sempre, porque longe irás. Amei!

  4. Escrever e viver sempre caminham de mãos dadas, e quanto mais a gente não se satisfaz com o que fazemos, mais aprendemos com novas facetas, cores, danças e claro, com a vida.

    Meu filho, sua escrita fluiu por todo o meu ser.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: